quarta-feira, 11 de maio de 2011

Irene

Fui um bocado à boleia dos meus amigos ver "Irene". Não sabia ao certo ao que ia, mas sendo uma produção d' O Bando achei que o sucesso estava garantido à partida. Não me decepcionei (isto ainda se escreve assim?), gostei do texto e da interpretação. Irene roda à volta de uma mulher que volta à sua terra natal onde encontra o tio que a criou, mas a história dá e volta e no final fiquei com a impressão que as personagens eram fictícias e que apenas existiam na cabeça da personagem principal. Entretanto o palco, que começa cheio de tralha, vai sendo arrumado pela outra personagem da peça - que não chegamos a perceber ao certo quem é: Tio? Amigo? Terapeuta? Consciência? Ou tudo isto junto? - com se fosse o arrumar da cabeça da protagonista.
Não costumo acompanhar as novelas nacionais e portanto não sei do que a Margarida Vila-Nova seria capaz, mas desempenha o papel na perfeição, com energia quando é precisa e lentidão quando é necessária. Gostei também da sua postura e linguagem gestual em palco. Uma alegre surpresa mas que, provavelmente, não deveria ter sido.
Mais uma recomendação.

1 comentário:

AVOGI disse...

filmes portugueses? belhac
kis :=(